sexta-feira, julho 24

PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS | Espasmos de Choro

Aconteceu ontem...e pela primeira vez apanhei um susto com o Simão como nunca me tinha acontecido! Numa descrição rápida... uma birra, um choro desenfreado e forçado, falta de ar, a cara roxa e.....uma corrida para o jardim com ele estendido no colo sem qualquer reacção... Eu sempre calma, a falar com ele numa tentativa de o despertar, a mostrar as flores e os passarinhos - “Simão olha a rua, olha as flores que tu regaste”...eu sempre calma... (mentalmente a lembrar-me dos relatos da minha mãe quando eu fazia o mesmo em pequena e de quais as medidas que ela tomava)....e eu sempre calma... De repente o Simão recupera os sentidos, olha-me com ar estranho e solta a primeira palavra “rua!” Eu, que até então estava calma “desmancho-me” num choro compulsivo como se....como se.....nem encontro a palavra certa! Para mim aqueles segundos foram uma eternidade!!!

A verdade é que relatos como este não faltam na blogosfera.... que é uma situação, encarada pelos entendidos, como uma reacção frequente em algumas crianças perante situações de frustação/contrariedade numa tentativa (será tentativa ou certeza??) de chamar a atenção. E que...se pressentem o nosso pânico podem voltar a repetir porque sabem que assim conseguem o que querem.

Hoje de tarde o 'Dr. Fish 'calmamente explicou-me por telefone a causa destas situações (depois de eu já ter quase uma dissertação sobre o assunto, fruto das pesquisas na net...[quem é que descansa sem saber o que se passa com um filho?] e que não devia dar importância porque é um “jogo” que ele está a começar a treinar para medir forças (Espero bem que tenha sido o primeiro e último treino) e que não devo dar importância para não ser dominada! Sacana do piralho, tão pequenino, tão querido, tão lindo, tão indefeso (ou não) a querer medir forças! “Ok... percebi a parte teórica!”

Agora... digam-me quem é que consegue ficar indiferente ou não dar importância a um filho esmorecido no colo, sem reacção, de cor roxeada, a revirar os olhos? A quantidade de sentimentos que num pequeno instante nos percorrem o corpo e que nos fazem sentir a fragilidade da vida! E a vontade de gritar bem alto (como se valesse de alguma coisa) “Simão volta para a barriga da mamã, aí estás mais seguro!”

Enfim... pode ser que um dia consiga alcançar essa segurança e esse distanciamento... a experiência ensina-nos a exercitar essas coisas.... até lá...

E Simão fica aqui um aviso para ti! Se queres medir forças com a mamã, brincamos ao “braço de ferro” Não voltas a fazer isto! Combinado??

6 comentários:

O meu olhar disse...

Olá! tudo bem?
Vinha pedir-te que visitasses o meu blog www.tudoquesefaz.com e se pudesses contribuísses na campanha que estou a organizar! A divulgação também é uma grande ajuda!
Muito obrigada!
Um óptimo fim-de-semana
www.tudoquesefaz.com

Ghost disse...

Posso falar por experiência própria, não como mãe, mas como uma tia bastante presente na vida do seu sobrinho...
A verdade é que não fazia ideia de que isso pudesse ser feito por um ser tão pequeno e, no caso de acontecer, fiquei a saber como agir...
Os miúdos são inteligentes, é um facto e conseguem por-nos à beira de um ataque de nervos quando são contrariados: fazem birra, param de respirar por momentos e são verdadeiros artistas na arte de tentar convencer um adulto a fazerem o que querem. O meu sobrinho lindo é um verdadeiro artista. Com apenas um ano sorri quando se lhe diz que não pode fazer, percebe o que significa o poundos e tenta repetir as façanhasnão, aguarda uns segundos e consegue estar uma hora a testar a paciência de quem o rodeia até alcançar um objectivo...
São umas pestes, mas são do melhor que há...
Boa sorte!!!
Andréa

Anita disse...

Bem, que grande susto!
Coisas que só uma mãe sente, não é verdade?!
Mas a experiência faz o monge não é?!

Que tudo corra bem!

Beijinhos*

Catarina Natário disse...

Ai Simão Simão!!!
E não se faz com a Mamã!

Não sabia desta pequena-grande partida do nosso pequeno!
E tu, como sempre... agiste como uma grande mulher!

1 grande beijo com muito carinho e amizade para uma pequena, mas enorme Mamã!

Teresa Acha disse...

Ola!
Vivi exactamente a mesma situação com o meu filho Gonçalo de 22 meses!
Já não é a primeira vez que isto lhe acontece, ja ocorreram cerca de 5 episódios semelhantes.
O pior é que isto só acontece ao Gonçalo quando cai e bate com a cabeça no chão.
Ele nem chega a chorar fica logo com falta de ar,roxo, faz apneia e fica com o corpo mole e sem reacção.
Depois recupera e entao chora.
È uma situação horrivel pois aqueles segundos parecem uma eternidade.
Não consigo ter a sua calma pois fico sempre bastante nervosa e sem saber ao certo o que fazer.
Ja fui a pediatras e sempre me disseram o mesmo,que não era grave, mas confesso que nao fico descansada e tenho medo que um dia ele não consiga vir a si e voltar a respirar.
Por isso compreendo prefeitamente aquilo por que passou e sei o que sentiu quando o simão recuperou, é um alivio enorme....
Adorei o seu blogue.

xica disse...

Obrigada Teresa!

Pois é, foi a primeira e última vez que ele me fez isto... já tem quase 4 anos e o episódio não se repetiu. E realmente é angustiante para uma mãe ver aquele "aparato".
Bem, Teresa, é mesmo esperar que, com a idade, os espasmos vão desaparecendo e coragem para enfrentá-los com tranquilidade.

Beijinho
Volte sempre

Ocorreu um erro neste dispositivo